EMPREENDEDORISMO ATUAL

Não errar significa não buscar novas soluções

 

É claro, ninguém gosta de errar. Em determinados casos, um erro pode ter consequências graves.

Tomemos por exemplo um neurocirurgião operando… dá para imaginar o estrago que um erro, mínimo que seja, pode trazer.

Mas, sem trocadilhos, o grande erro mesmo é achar que o contexto de tal circunstância deve ser expandido para as demais áreas da vida, quer seja no âmbito pessoal, quer seja no mundo corporativo.

Nas empresas, não errar significa não buscar soluções novas, não tentar, não ousar.

E isso pode ter consequências desastrosas para a organização. Não por acaso, Thomas Watson disse certa vez que “o caminho para o sucesso é dobrar a taxa de erros”.

Ele não poderia ter sido mais claro no recado: tente, ouse, invente; permita-se cometer erros, corrija-os e você fará processos melhores, produtos melhores e empresas melhores.

Pergunta mais, seja SÁBIO

 

Tanto na sala de aula, como no trabalho, é necessário aprender sempre. O Prof. Silvio Meira, da UFPE, escreveu certa vez que, “o colaborador de um negócio qualquer deveria, pelo menos uma vez por semana, se perguntar o que aprendeu nos últimos 7, 14, 21 dias.

Se, vez após vez, a resposta for muito pouco ou [quase] nada, é hora de procurar algum lugar que, junto com seus colaboradores, esteja construindo o futuro.”

Pois, como diz um comercial de TV, não são as respostas que movem o mundo, e sim as perguntas.

“Sábio não é o homem que fornece as verdadeiras respostas: é o que formula as verdadeiras perguntas”.

Não sei de quem é a frase, mas concordo que, em toda profissão, saber as perguntas corretas a serem feitas pode fazer toda a diferença.

Para o empreendedor aprendiz, então, isso faz todo sentido. Como aprender sem questionar, sem elaborar as perguntas que levam a reflexão, a pesquisa, ao avanço no aprendizado?

Fico admirado como por vezes temos tão poucas perguntas e tantas respostas…

Como escreveu Leonardo Lugaresi (referindo-se a educação), “nenhuma pergunta sincera é desprezível: lembrem, além do mais, que um professor inteligente sabe avaliar não somente as respostas que vocês sabem dar às suas perguntas, mas também as perguntas que vocês sabem colocar”.

Então, por que não perguntamos mais? Será que temos medo de parecer bobos? A timidez não deixa? Mas de fato aprenderíamos mais perguntando? Como elaborar boas perguntas?

O que o empreendedor pode fazer para obter mais perguntas de seus colaboradores? E de seus clientes? Ter boas perguntas é o primeiro passo para ter boas respostas! E você, sabe perguntar?

Pare de RECLAMAR.

 

Eu li livro “Quem mexeu no meu queijo?”, de Spencer Johnson. Pensei um pouco sobre a inspirada fábula de homens e ratos… parece mesmo que temos uma tendência natural para nos acomodar ou, na linguagem do livro, agarrar o nosso queijo e não querer mais abrir mão dele.

Gosto muito da fábula do homenzinho que reclama bastante e não faz nada: “quem mexeu no meu queijo?

Quem mexeu no meu queijo?” Parece alguém que conheço, ou melhor, parece um monte de gente que conheço.

Somente reclamar não produz efeito nenhum e, a bem da verdade, ninguém gosta de andar com pessoas que passam o dia reclamando.

Essas, coitadas, não percebem que o mundo mudou e não vai voltar a ser o que era somente para agradá-las!

Essa acomodação parece que está em nosso DNA e combina com um ditado que ouvi muito quando criança: “fez a fama e deitou na cama”.

Hoje, claro, isso não tem o menor sentido… quem faz a fama e deita corre o risco de acordar e ver que não há mais fama… nem cama! Mais do que nunca, é preciso TBC! Empreendedores e profissionais do mundo moderno precisam estar atentos, “cheirar o queijo com frequência para saber quando ele está ficando velho”. Isso vai permitir entender as mudanças que ocorrem em nossa volta e, melhor ainda, se antecipar a elas.

E você empreendedor, tem “cheirado seu queijo” com que frequência? É capaz de citar uma mudança que vai impactar seu negócio em, digamos, cinco anos? Ou em dez anos? E se não entendeu ainda o que é TBC, posso dizer que equivale a levantar e andar, ou seja, pôr-se em ação..

InovAÇÃO

 

Fernando Pessoa, em seu poema “Navegar é Preciso”, disse que os navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: “Navegar é preciso; viver não é preciso”. A frase, atribuída originalmente ao general romano Pompeu (106-48 aC), foi brilhantemente parodiada pelo poeta português no poema supracitado:

“Viver não é necessário; o que é necessário é criar.

Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.

Só quero torná-la grande, ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a (minha alma) a lenha desse fogo.”

Estamos em tempo de inovAÇÃO, assim mesmo com o final em maiúsculas para destacar que é necessário criar e agir, ou seja, colocar em prática o que foi criado.

Não seria esse o verdadeiro espírito do empreendedor? É necessário criar, e igualmente necessário colocar as idéias em prática, para tornar a vida “grande”, significativa!

Fazer valer à pena. Resumindo, sair da mesmice. Como disse Steve Jobs, “estamos aqui para fazer alguma diferença no universo, se não, porque estar aqui?”.

Você é um Colaborador?

 

De acordo com Naeem Zafar, professor de Empreendedorismo e Inovação do MBA da Haas School of Business, da Universidade da Califórnia, Berkeley, a colaboração é um dos principais fatores para o sucesso do empreendedor.

Eu, particularmente, tenho certeza disso. Tenho falado muito sobre a necessidade, não só dos empreendedores, mas de todas as pessoas, colaborarem para obter mais resultado.

Percebam que neste mundo globalizado, ter sucesso sozinho é uma missão quase impossível.

Pesquisadores obtêm mais resultados quando colaboram, assim como professores, pintores, vendedores, estudantes, varredores… enfim, não poderia ser diferente com os empreendedores. O sucesso em equipe, grupo ou rede é o que mais se potencializa nos últimos anos, por isso muitos utilizam o   Curso de marketing multinivel?

É pensando deste jeito que uma prática cada vez mais difundida nos pólos empreendedores é estes se reunirem para trocar idéias e contar casos de sucesso e também de fracasso, por que não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *